5 Lições de vida que não aprendemos na escola (Mas deveríamos)

You are currently viewing 5 Lições de vida que não aprendemos na escola (Mas deveríamos)

A escola nos “prepara” para nos inserirmos na sociedade industrializada e contribuir para o seu desenvolvimento do ponto de vista profissional, mas esquece as lições de vida.

Isso significa que muitas vezes temos que aprender através da adversidade e perceber, como adultos, que precisamos mudar os velhos padrões de pensamento que nos prejudicam ou não nos dão nada, mas são um obstáculo ao nosso crescimento.

O que precisamos saber para enfrentar melhor a vida?

1. O mundo não gira em torno de você

Todos somos protagonistas de nossas vidas, mas isso não significa que o mundo gire ao nosso redor. Se um funcionário não o atende com gentileza, você fica preso em um congestionamento de trânsito ou a fila do supermercado não anda, não é porque existe uma conspiração mundial para te prejudicar. São coisas que acontecem. E isso acontece com todos, não apenas com você.

Levar para o lado pessoal tudo o que acontece com você, adotando uma postura egocêntrica, vai lhe causar muitos problemas. Primeiro, gerará uma série de emoções negativas que tirarão sua paz interior. Em segundo lugar, você perderá o controle, de modo que não será capaz de responder com assertividade, mas simplesmente reagirá seguindo seus impulsos.

Tudo isso, ao invés de resolver o que o incomoda, só servirá para agravar o problema ou criar novos obstáculos e conflitos com as pessoas ao seu redor. Portanto, compreender que o mundo não gira em torno de nós pode nos devolver o controle e nos trazer grande paz.

2. Você não é obrigado a agir como se sente 

Ninguém se sente bem o tempo todo. Ficamos desapontados, tristes, com raiva ou ansiosos. É normal. Mas isso não significa que você deva contaminar seus relacionamentos com esses estados afetivos. Não se trata de esconder ou reprimir o que você sente, mas de ser capaz de controlar suas emoções de forma assertiva para que não representem um problema, nem para você nem para os outros.

“São as decisões, não as condições, que determinam quem somos“. Isso significa que devemos parar de procurar culpados externos e entender que não precisamos reagir seguindo nossos impulsos emocionais, mas podemos aprender a responder de forma mais madura às circunstâncias.

3. Seja você mesmo, independentemente da pressão dos outros

Embora não sejamos o centro do universo, nossas necessidades e valores são importantes e devemos aprender a defendê-los. Se nos acomodarmos continuamente ao que os outros esperam de nós e sacrificarmos nossas necessidades pelas deles, nos tornamos pessoas excessivamente acomodadas, corremos o risco de nos perdermos, de viver uma vida que não é a nossa.

Infelizmente, a sociedade pressiona continuamente para homogeneizar seus membros, de modo que apenas as pessoas mais fortes conseguem ser autênticas. A chave para não ceder às demandas sociais é desenvolver um nível de autoconhecimento que lhe dê a segurança necessária para defender suas ideias e decisões.

Quanto menos você se conhecer, mais vulnerável ficará às pressões sociais, especialmente aquelas exercidas por aqueles que estão próximos de você e que “fazem isso para o seu próprio bem”. Portanto, quando você se deparar com uma encruzilhada entre as demandas externas e suas necessidades, lembre-se das palavras de Lao Tzu: “No centro de seu ser você tem a resposta.”

4. Aprender a lidar com as mudanças da vida ou morrer resistindo 

As mudanças fazem parte da vida cotidiana, embora frequentemente nos recusemos a reconhecê-la e nos apeguemos teimosamente à ideia de segurança. 

Quando não conseguimos conviver com a incerteza, desenvolvemos um pensamento rígido e a menor mudança gera uma ansiedade enorme e desproporcional. Por isso, devemos aceitar que não existem certezas totais e que em muitos casos a busca pela segurança é apenas uma ilusão que mais cedo ou mais tarde pode cair como um castelo de cartas.

5. Na adversidade você conhece sua verdadeira força 

Quando as coisas não saem como planejado, muitas vezes nos sentimos frustrados e desapontados. É normal e não há nada de errado com isso. O problema começa quando somos apanhados por esses sentimentos e, em nossa mente, só há espaço para pensamentos negativos.

Quando entramos nesse ciclo de negatividade, é praticamente impossível encontrar uma solução, o que nos condena a permanecer nesse estado de insatisfação.

Pessoas resilientes, ao contrário, sabem detectar o positivo no negativo e a oportunidade no revés. 

Portanto, a capacidade de repensar a adversidade de uma perspectiva mais construtiva para você mesmo é uma das lições mais importantes que você pode aprender na vida. Portanto, você pode seguir em frente, causando menos danos a si mesmo.

Deixe uma resposta