Como plantar e cultivar orquídeas? Guia básico definitivo!

Como plantar e cultivar orquídeas? Guia básico definitivo!

As orquídeas são plantas primorosas, com flores vistosas e geralmente muito bonitas, por isso são a obsessão de centenas de amantes das flores (como eu) em todo o mundo.

Este será um guia básico, mas o mais abrangente possível, sobre como cultivar orquídeas em casa

Semeando orquídeas: fatores a serem considerados

As orquídeas são uma família particular que possui cerca de 90.000 exemplares, entre naturais e híbridos, que podem ser encontrados em praticamente todo o mundo, cada um com suas necessidades particulares.

Apesar dos diferentes tipos que podemos encontrar, todas as orquídeas possuem certos fatores críticos que devemos levar em consideração se queremos ter um cultivo bemsucedido.

O principal será identificar o tipo de orquídea que temos, para que seja mais fácil recriarmos as condições ideais onde essa espécie costuma ocorrer naturalmente.

Clima e temperatura

Os climas onde crescem naturalmente variam de condições arborizadas a áreas áridas quase desertas, mas principalmente, levaremos em consideração que a maioria são plantas tropicais, portanto temperaturas quentes serão preferíveis.

Plantas como essas raramente sobrevivem geada, incluindo as estirpes resistentes ao frio podem não tolerar temperaturas abaixo de 6°C.

E embora a primavera e o verão sejam especialmente bons para a semeadura da maioria das espécies, uma temperatura acima de 30° C pode comprometer a saúde da orquídea, portanto, cuidado com os excessos.

Iluminação

A iluminação é um dos fatores mais importantes e onde a maioria dos erros são cometidos ao plantar uma orquídea. O segredo é fornecer o máximo de iluminação possível, desde que você não tenha exposição direta.

Isso significa que devemos garantir um telhado ou cobertura que possa filtrar a passagem do sol. 

Solo 

Neste ponto quase tudo depende da espécie particular, de acordo com isso, algumas orquídeas preferem crescer em troncos, algumas em terra ou substrato orgânico…

Em geral, o substrato ou solo deve ser muito leve, fibroso e com conteúdo orgânico, para que as raízes possam aderir bem e ao mesmo tempo drenar o máximo de água possível para evitar inundações.

Uma casca de coco, casca semi-moída, tronco ou vaso de plástico são populares para o cultivo de espécies epífitas e vasos de plástico macio ou de argila bem entediados para variantes terrestres.

Condições ideais para o plantio:

Embora pareça repetitivo, é vital saber que cada espécie tem suas próprias condições ideais a serem levadas em consideração. O que devemos procurar é um local que não tenha exposição direta ao sol, com ventilação ampla ou suficiente para evitar a formação de ambientes úmidos.

Em relação ao solo, garanta sempre uma boa hidratação, mas máxima drenagem, pois o acúmulo de líquido pode causar morte ou necrose das raízes.

Dependendo da espessura da raiz, as orquídeas de vida mais longa requerem uma troca de vaso de tempos em tempos, já que a condição ideal requer um espaço apertado para que as raízes possam ser devidamente fixadas ao solo.

Plantar e transplantar a orquídea

Aqui está uma das grandes peculiaridades dessa planta, que é que a germinação por sementes é um processo difícil, que requer muita paciência e condições ideais quase perfeitas. É por esta razão que a maioria dos jardineiros prefere multiplicá-las ou adquiri-las por meio de mudas.

As sementes de orquídeas são extremamente pequenas em quase todas as espécies e têm a peculiaridade de não ter “reserva de alimento” para germinar, como as sementes comuns, por isso precisam estar acopladas a algum tipo de fungo responsável pela nutrição deles.

Algumas espécies requerem até fungos muito específicos, levando, em condições ideais, meses para apresentar crescimento significativo. É por esta razão que se recomenda a aquisição de mudas para replantio.

Plantando orquídeas em vasos

Para o replantio em vasos devemos levar em consideração alguns aspectos. Em primeiro lugar, deve-se ter muito cuidado com as raízes, principalmente se a espécie já estiver em um vaso ou em outro substrato.

Os potes costumam ser de barro ou plástico transparente, preferindo-se o plástico para as versões aéreas, que permitem a passagem da luz. O ideal é escolher o menor vaso possível para o tamanho da planta.

Deve-se garantir uma boa adesão, misturando grandes elementos como madeira ou casca e componentes menores como carvão vegetal esfarelado que não limita a passagem do ar.

Plantar orquídeas em toras

A maneira correta de plantar estacas em toras, seja em um corte ou no galho de uma árvore maior, é usar tiras de plástico ou arame para amarrar a estaca ao tronco, enquanto as raízes crescem e se agarram a si mesmas.

É importante que escolhamos um tronco com casca porosa que não escama facilmente e principalmente que o tipo de árvore não seja resinoso. É bom que o local escolhido tenha um pouco de musgo entre as raízes e a casca, isso vai ajudar muito a orquídea a manter a umidade das raízes.

Cuidados com orquídeas

Uma vez que temos nossa orquídea em casa, há certos cuidados diários que devemos considerar. Algumas espécies são mais resistentes que outras e requerem menos atenção, mas certamente o estado das flores depende muito dos cuidados que recebem.

Irrigação

A rega das orquídeas vai depender muito da localização e da espécie. Tentaremos ter cuidado com a rega, pois o excesso de umidade pode causar sérios danos às raízes e aparecimento de fungos.

O importante é equilibrar dependendo da localização, aqueles que têm maior acesso a iluminação e ventilação, geralmente requerem menos rega do que aqueles que estão em vasos ou solo de jardim.

É aconselhável usar água da chuva para regar ou pulverizar, nunca use água clorada ou água da torneira. De preferência regar pela manhã logo após o sol nascer.

Nutrientes

Essas plantas crescem em ambientes desafiadores e, embora prosperem cercadas por nutrientes orgânicos, não são parasitas. Isso significa que eles não precisam de nutrientes em excesso para crescer, então encher com composto está completamente fora de questão.

Em vez disso, iremos fornecer gradualmente o fertilizante da orquídea à medida que se degrada, geralmente uma vez por semana em pequenas quantidades.

Prefira misturas orgânicas com maiores quantidades de potássio ou fósforo para ajudar na floração. O nitrogênio serve para promover o crescimento das folhas.

Cuidado das raiz

As raízes são a parte mais delicada desta planta e onde podemos notar o seu estado. Quando as pontas das raízes são mais claras do que as demais, geralmente é indicativo de crescimento, portanto, nesta fase as plantas assimilam os recursos muito mais rápido.

Como mencionado antes, é importante não manter muita umidade por longos períodos de tempo, pois isso pode causar apodrecimento da raiz.

Iluminação ideal

O desenvolvimento de belas flores e folhas saudáveis ​​depende muito de uma iluminação perfeita. Claro, as condições ideais de luz são particulares para cada espécie, mas existem maneiras de saber se estamos próximos do ponto exato.

Já devemos saber que precisamos proporcionar mínima ou nenhuma exposição direta ao sol, o que podemos corroborar se as folhas ou o taioba ficarem com aspecto seco, quebradiço ou amarelado. Se, por outro lado, dermos sombra demais, notaremos um tom verde muito intenso nas folhas e os bulbos ou pseudobulbos buscarão se reorientar para a luz.

Quando as condições de luminosidade são ideais, o tom das folhas é morno e geralmente não há atraso na floração. É importante saber caso sua orquídea perca botões antes de florescer ou não os apresente.

Como multiplicar as orquídeas?

É normal que com as delicadas raízes de uma orquídea seja um pouco assustador separar as mudas para replantar sem ferir ou matar a planta, mas pode ser feito facilmente se tiver o método indicado.

Todas as estacas podem ser replantadas, de preferência após a fase de floração. Podemos pegar um objeto pontiagudo e o mais limpo possível para separar o pseudobulbo logo no ponto de ancoragem com a mãe, deixando algumas raízes.

A estaca deve ser de tamanho considerável com pelo menos 4-6 raízes para sobreviver por conta própria. Recomenda-se separar os pseudobulbos em grupos para maximizar a sobrevivência do transplante.

Deixe uma resposta