Fibromialgia: A Dor Que a Sociedade Não Vê, Nem Entende

Fibromialgia: A Dor Que a Sociedade Não Vê, Nem Entende

Você já ouviu falar da fibromialgia? A doença foi reconhecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) no ano de 199 e atualmente afeta cerca de 4% da população mundial, sendo que desse percentual pelo menos 90% são pacientes mulheres.

A fibromialgia é conhecida popularmente como a “doença invisível” porque não é de fácil diagnóstico, afinal ela não provoca sintomas visíveis, afetando as partes macias do aparelho locomotor.

A etiologia da doença ainda é desconhecida, mas ao passar dos anos avançam os diagnósticos e isso mostra um número crescente de pacientes portadores do problema.

As dores são intensas e afetam a qualidade de vida das pessoas de forma muito negativa, por isso a principal forma de trabalhar sobre o problema tem sido no seu aspecto biopsicossocial.

Se você sofre com esse problema, vamos te dar algumas dicas que podem ajudar a melhorar a sua qualidade de vida.

A fibromialgia e o sentimento de invisibilidade

A dor intensa causada pela doença pode comprometer a vida social de seus portadores, já que impede sua locomoção. Por conta disso, pacientes podem sofrer com a incompreensão social, já que as pessoas estão acostumadas a julgar, especialmente quando são incapazes de enxergar o problema.

O que as pesquisas dizem sobre a doença da fibromialgia

De acordo com um trabalho realizado pela revista “Arthritis & Rheumatology”, as pessoas com fibromialgia possuem um número maior de fibras nervosas sensoriais nos vasos sanguíneos, fazendo com que qualquer estímulo ou mudança na temperatura cause dores intensas.

Dessa forma, fatores emocionais podem aumentar a sensação de dor nas tais fibras nervosas.

Portanto, para controlar a dimensão emocional da doença é preciso trabalhar no fator psicossocial.

Como enfrentar a doença e melhorar a qualidade de vida

A doença precisa ser tratada, mas reconhecendo que o fato de ser uma dor intensa e invisível que pode vir a comprometer a vida social dos pacientes, é preciso buscar formas de amenizar o impacto que fatores psicológicos como o estresse, podem gerar.

Alguns passos podem ser muito importantes nesse processo:

  • Busque entender como funciona a doença e principalmente busque um tratamento adequado para o seu problema específico.
  • Não se isole, busque conviver com pessoas que te estimulem a melhorar e principalmente, mantenha uma atitude positiva;
  • Procure práticas de relaxamento, exercícios como a ioga, fazer artesanato, existem muitas formas de relaxar a mente e o corpo, encontre algo que você goste.

Este post tem 3 comentários

  1. dulcineiaoliveira579@gmail.com

    Tenho sentido todas essas dores que falam aí.
    Será que estou passando por esse problema, tem dia que sinto mais dores que outros, ultimamente tem piorado a situação,tem dia que não sei a onde doi mais, pois sinto dó nó corpo inteiro.

  2. Boa noite sei bem o que é isso .
    Fui diagnosticada sobre essa doença em 2005 e des então venho sofrendo com ela e com a falta de sensibilidade das pessoas a volta de mim.
    Porque muitos não acredita que sofremos desse mal .
    Mais e muito difícil lidar com essa doença pois na verdade nem a medicina sabe o que causa esse mal

  3. Elizabeth de Lima

    Minha mãe sente muita dor no maxilar mas Já fez varios exames e não da nada alivia com cronazepam. Pode ser fibromialgia?

Deixe uma resposta