Jejum intermitente – Conheça os benefícios

Jejum intermitente – Conheça os benefícios

Existem vários aspectos positivos para a saúde que a prática do jejum intermitente nos traz.

Você sabe em que consiste o jejum intermitente? Você conhece seus benefícios e possíveis riscos? Neste artigo, veremos em detalhes o que esse hábito consiste em nível prático e nutricional, seus possíveis benefícios, suas bases científicas e como adotar para evitar entrar em uma situação de risco à saúde.

O que é o jejum intermitente?

Existem várias fórmulas de jejum intermitente ou esporádico, como a periodicidade diária (a mais conhecida), que consiste em menos de 12 horas de jejum, sendo a mais conhecida a “16/8”: 16 horas de jejum e 8 de alimentação. Há pessoas que vão mais além e ficam 24 ou até 3 dias sem comer, mas claro que isso deve ser feito sob supervisão médica.

No nível do cronograma, a prática mais frequente é alimentar das 10 da manhã às 6 da tarde (levando em consideração o jejum intermitente diário). No período de jejum, são contempladas 8 horas de sono.

Alimentos e calorias do jejum intermitente

Em relação à ingestão calórica, considera-se que, com o período de jejum, a ingestão geral habitual de quilocalorias diminui para entre 300-500 por dia (aproximadamente e dependendo da idade, sexo e condições fisiológicas da pessoa).

Nos produtos a consumir, estes devem ser sempre alimentos frescos, nutricionalmente equilibrados e saudáveis, principalmente vegetais e frutas. De preferência comida cozida em casa.

A base dos alimentos quando não jejuamos são legumes e frutas, mas sempre levando em consideração legumes, sementes, nozes, alimentos integrais, bem como alimentos de origem animal (para quem não é vegano) como ovos, laticínios, peixe, frutos do mar e carne.

Benefícios do jejum intermitente

Inúmeros estudos científicos chegaram à conclusão de que, comer em um período de 6 horas e jejuar por 18 horas, pode desencadear uma mudança metabólica de padrão específico; isto é, passando de um metabolismo da obtenção de energia da glicose (no fígado) para um metabolismo de cetonas e ácidos graxos (no tecido adiposo; isto é, gordura).

Tal mudança no metabolismo implicaria uma série de alterações no nível celular, o que implicaria maior resistência ao estresse, maior longevidade e diminuição da incidência de certas doenças, como doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes e câncer, entre outras.

Esta série de artigos demonstra os benefícios do jejum intermitente, mostrando que estes não são apenas perda de peso e redução de radicais livres (que oxidam e danificam nossas células), mas vão além.

Entre os benefícios do jejum intermitente, encontramos perda de gordura, mantendo a massa muscular, melhorando a memória espacial, verbal e associativa, além de melhorar a cognição global (processos mentais).

Bebidas permitidas no Jejum intermitente:

  • Chás e cafés sem açúcar
  • Água
  • Água com limão
  • Caldo de ossos

Processos fisiológicos envolvidos

Por outro lado, o jejum intermitente desencadeia respostas celulares adaptativas que se integram entre os órgãos. Assim, a regulação da glicose é melhorada, a resistência ao estresse aumenta e a inflamação celular é suprimida.

Durante o jejum, as células ativam caminhos que melhoram as defesas intrínsecas contra o estresse oxidativo e metabólico e aqueles que eliminam ou reparam moléculas danificadas.

Ao se recuperar do jejum (comer e dormir), as células aumentam a síntese de proteínas, experimentando crescimento e reparo. Manter um regime de jejum intermitente, principalmente quando combinado com exercícios regulares, resulta em muitas adaptações a longo prazo que melhoram a saúde mental e física geral.

Riscos a considerar

Embora tenhamos conhecido alguns dos benefícios do jejum intermitente, devemos ser cautelosos. Apesar dos possíveis benefícios do jejum intermitente, isso não pode ser considerado uma dieta.

Isso se deve ao fato de que essa prática se refere à restrição de alimentos por um certo período de tempo, enquanto o conceito de dieta se refere a uma prática habitual de ingestão e restrição de alimentos e bebidas.

Além disso, os especialistas enfatizam que, em algumas pessoas vulneráveis, ele pode desenvolver um distúrbio alimentar devido a esse hábito, se não for realizado de maneira controlada e estudada.

Jejum intermitente sob supervisão médica

No nível de experimentação animal (roedores e primatas), foi demonstrado que o jejum intermitente melhora a saúde ao longo da vida, enquanto no nível clínico (pessoas), os estudos foram realizados apenas por períodos de curto prazo (meses), ainda há muita pesquisa a ser feita.

Assim, os benefícios do jejum intermitente têm uma base científica. No entanto, é uma prática delicada que deve sempre ser realizada sob supervisão médica.

Lembre-se sempre de que o jejum intermitente deve ser feito a curto prazo, e isso não é recomendado a todos, pois cada pessoa tem suas necessidades fisiológicas e, é claro, não deve ser feito em excesso.

*Esse post é apenas informativo e jamais deve substituir uma consulta médica*

Deixe uma resposta