Uma Lenda Budista Sobre Gatos Que Todos Deveriam Ler

Uma Lenda Budista Sobre Gatos Que Todos Deveriam Ler

O mundo do budismo é cercado por diversas figuras, e o gato é com certeza uma das figuras que mais aparece nessa religião. Para o budismo os gatos representam espiritualidade, são iluminados, transmitem paz e harmonia.

Devido ao seu imenso valor, não é surpresa imaginar sua importância dentro da religião. É muito comum ao visitar templos na Ásia ver uma grande quantidade de gatos andando livremente, assim como os animais retratados em imagens e esculturas que ficam espalhados nos santuários e seus jardins.

Os gatos têm a sensibilidade de ver muito além dos nossos sentidos, olham para as almas de humanos com seu olfato refinado e aliviam as tristezas preenchendo a alma de quem os mantem bem com nobreza em seu olhar.

Por mais que seja dito em todos os lugares que o cachorro é o melhor amigo do homem, o que de fato é real, muitos budistas acreditam que as pessoas que têm sua vida cruzadas com os gatos, conseguem ter uma conexão muito profunda e intima com esses animais. Alguns destes mestres budistas, até mesmo falam que os animais podem ter um poder curativo.

Se você gosta destes animais ou sente encanto, continue neste texto e confira a lenda sagrada da Tailândia que envolve os gatos.

A lenda budista tailandesa sobre os gatos

O budismo é uma religião que não segue os preceitos tradicionais de ordem hierárquica como de outras religiões como o catolicismo, e esta lenda tem suas raízes na escola do budismo Theravada ou do budismo da linhagem dos antigos.

Foi na Tailândia que foi escrito o “Livro dos poemas do gato” ou Tamra Maew. Atualmente o livro se encontra conservado na Biblioteca Nacional de Bangkok, guardado como um tesouro nacional autêntico. Nos seus velhos papiros se pode ler a história encantada de que quando uma pessoa havia alcançado os mais altos níveis de espiritualidade e acaba por falecer, sua alma se unia tranquilamente ao corpo de um gato.

Independente da longevidade do animal, se sua vida era curta ou longa, a alma atribuída ao animal sabia que ao acontecer o falecimento, automaticamente a mesma se elevaria para um plano iluminado.

Sabendo desse fato, o povo tailandês mantinha uma estranha tradição. Os familiares que faleciam, quando eram encaminhados para as criptas, levavam consigo um gato.

O animal era colocado com o corpo na cripta, que por sua vez tinha uma pequena abertura para que o animal saísse.

Quando o animal saísse da cripta, os familiares tinham a certeza que a alma de seu falecido familiar tinha sido unida ao corpo do gato, dessa forma alcançando um lugar de calma, liberdade e espiritualidade capaz de preparar sua alma para o seu próximo caminho de ascensão.

Para o lado espiritual os gatos são seres livres, que fazem o que querem de acordo com suas necessidades, são como pequenos monges que trazem harmonia para qualquer ambiente, e a muito tempo aprenderam a ler e sentir os humanos, embora até hoje os humanos não saibam retribuir este contato da mesma forma.

Para os gatos as pessoas que são agressivas ou levantam sua voz não são de seu agrado, somente os que conseguem olhar seu interior com dedicação e respeito, conseguem apreciar suas qualidades de lealdade, afetuosidade, e ter o prazer de seu afeto, que se manifesta de forma sutil e delicada, carregados de amor e afeto.

Mesmo com todo o respeito e devoção que o budismo mantém aos gatos, não é necessário buscar tão longe para verificar o quanto estes animais são importantes para nós, humanos. Apenas com um olhar destes animais, podemos nos transportar para um universo paralelo em que nos sentimos leves e conectados.

Além de querermos o bem desses animais, e mantê-los juntos à nós os tratando com carinho e respeito, vemos neles a inspiração para sermos cada dia mais autênticos, donos de si e a aproveitar cada minuto.

Cada um de nós temos os nossos momentos e memorias com gatos, histórias que nos permitiram compartilhar do amor e companhia, assim como aprender ao longo da vida desses pequenos seres a dar valor aos que estão próximos a nós.

Desta forma, assim como na lenda já contada é possível que possamos nos permitir para que sejamos cada vez mais livres e leves espiritualmente, para quem sabe, um dia, nos elevarmos ao nível desses seres tão adorados através do tempo.

Este post tem 5 comentários

  1. anjo anael

    Tenho dois gatos e eles são espertos demais. São sensíveis e inteligentes. Nao me arrependo de tê-los adotados. Até a casa melhorou depois da vinda dos bichanos.

  2. Gosto miuito do que vejo por aqui. O Pinterest é o meu norte para colocar minhas idéias trabalhar minha criatividade.
    Obs: acho que os textos são muito repetitivo, qd faz a chamada e quando começa o texto. Grata.
    Gatos são a minha paixão tenho experiências lindas. Não abro mão dos meus filhos. Amo!!!

  3. jjj

    Pinterest, venha como vier, és meu preferido.

  4. Sonia Maria Murer Pulino

    A minha vida, desde os tempos mais remotos tenho o prazer de conviver com estas criaturas incríveis. Eles são sensíveis, carinhosos e grandes amigos. Precisamos ter a sensibilidade de tentar compreender a alma de um gato. Cada gato, é único. É uma experiência única.

  5. Luci Maria de Oliveira

    Tenho 14 gatos conheço cada um deles são carinhosos , amo meus gatos.

Deixe uma resposta para Sonia Maria Murer Pulino Cancelar resposta